Paripe.net

Liminar da Justiça suspende edital de licitação do VLT do Subúrbio

Imagem Responsiva
Imagem Responsiva
Imagem Responsiva
Imagem Responsiva
Imagem Responsiva


Liminar da Justiça suspende edital de licitação do VLT do Subúrbio
Foto: Reprodução

A Justiça suspendeu o edital de licitação para o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) do Subúrbio de Salvador. Com cerca de 19 km e 21 paradas, o VLT deve substituir os trens do subúrbio, ligando o Comércio a Paripe. 


A decisão foi tomada na quinta-feira (23) pela 7ª Vara da Fazenda Pública de Salvador. Em caso de descumprimento da liminar, foi determinada ainda uma multa diária de R$ 2 mil. O juiz Sérgio Humberto de Quadros Sampaio entendeu que o governo corre risco de celebrar um contrato com a concessionária que vencer a licitação com cláusulas que prejudicam o interesse público.


A decisão saiu depois de uma ação popular em que o autor questiona uma possível violação de princípios administrativos por parte do edital. Segundo a ação, a convocação é ilegal e a minuta do futuro contrato a ser celebrado tem fatores que "acarretariam evidente e vultuosa lesão ao patrimônio público do Estado". Destaque ainda que a minuta transfere para a concessionária o dever de realizar estudos para fins de explorar o empreendimento, o que iria contra o interesse público, pois "se o Estado da Bahia licitasse diretamente, não teria de compartilhar ganhos com a concessionária do VLT, recebendo sozinho a receita obtida com a outorga da licitação, além de percentual sobre a receita do empreendimento". Licitando à parte, o Estado "se desvincularia de 20 anos de parceria público-privada, insuficiente para viabilizar um empreendimento de 30 mil metros quadrados, considerando que serão 18 meses para apresentação do projeto e mais três ou quatro anos para executá-lo".


O autor da ação ainda destaca que o Estado terá também que indenizar a concessionária por eventual shopping, na área do atual Terminal da Calçada, que será construído, caso deseje ter o bem de volta. O contrato prevê que receitas geradas por esse empreendimento não serão compartilhadas com o Estado, exceto em relação aos naming rights, o violaria "a moralidade e modicidade tarifária" e iria contra o interesse público.


Em nota, a Casa Civil informou que a liminar não deve atrapalhar o andamento do processo. O governador Rui Costa já determinou, na semana passada, o prolongamento do período de envio de propostas pelas empresas interessadas em mais 60 dias - o limite inicial era esta sexta-feira (30).

 

Imagem Responsiva










Imagem Responsiva