Paripe.net

Suburbanos cobram organização “padrão Barra” na orla de São Tomé de Paripe

Imagem Responsiva


Suburbanos cobram organização “padrão Barra” na orla de São Tomé de Paripe
Foto: Bocão News

Inaugurada no dia 3 de outubro, a revitalizada orla de São Tomé de Paripe tem um padrão parecido com o da Barra e também teve direito a roda gigante funcionando desde que foi entregue à população. As semelhanças param por aí. Enquanto na Barra a organização e a limpeza são destaques, os moradores do Subúrbio reclamam da desorganização, sujeira e  desrespeito às leis de trânsito.

 

Os próprios moradores de Paripe, indignados com a situação da recém–inaugurada orla, principalmente nos fins de semana e feriados, enviaram à reportagem do Bocão News uma enxurrada de imagens da “bagunça” instaurada na praia de São Tomé.

 

Acúmulo de lixo, carros que estacionam irregularmente em vagas e o comércio informal desorganizado são três das principais queixas dos frequentadores da praia de São Tomé.


Ao encaminhar as imagens à reportagem do Bocão News, os populares questionaram: Por que a organização funciona na Barra e é deficiente nas orlas do Subúrbio?


O Bocão News repassou a pergunta dos moradores do subúrbio aos gestores municipais. O superintendente da Transalvador, Fabrizzio Muller; a presidente da Limpurb, Kátia Alves; e a secretária municipal da Ordem Pública, Rosemma Maluf detalharam, cada um em sua alçada, o que falta para a orla suburbana ficar “padrão Barra”.

 

Trânsito


Sobre o ordenamento do trânsito na orla, o superintendente da Transalvador garantiu que a fiscalização está sendo realizada “todos os dias” e relatou agressões sofridas por agentes de trânsito no Subúrbio Ferroviário.


“As fiscalizações estão acontecendo, mas tem dias que o movimento é muito forte. Tivemos alguns problemas com agressões sofridas pelos agentes”, declarou Muller.

 

Limpeza

 

De acordo com a presidente da Limpurb, Kátia Alves, o tratamento dado ao Subúrbio Ferroviário é o mesmo da Barra. “Colocamos equipamentos para a coleta seletiva em toda a orla. A empresa Torre, responsável pela área, realiza todos os dias essa coleta, com exceção ao domingo porque o gari também precisa descansar. A segunda-feira é sempre um dia atípico porque o acúmulo é muito grande”, avaliou.


De acordo com a gestora, os contêineres subterrâneos instalados na Barra também serão instalados nas orlas do Subúrbio Ferroviário em aproximadamente 30 dias.

“Nos deram um prazo de 45 dias e já se passaram 15. Estamos acompanhando. Na orla do Subúrbio, os contêineres subterrâneos serão ainda maiores dos que os da Barra, por causa da quantidade de resíduos. Os locais de instalação já foram definidos, inclusive”, declarou Kátia Alves.

 

Comércio informal

 

A desorganização do comércio informal é outro ponto que diferencia as orlas da Barra e do Subúrbio Ferroviário. A secretária da Ordem Pública, Rosemma Maluf, afirmou que a mudança de cultura será “lenta e gradual”.  A gestora disse que os comerciantes da região terão tempo para se adaptar à nova realidade das orlas de Salvador.


Em relação ao comércio na areia da praia, Rosemma disse que todas as orlas seguem o mesmo padrão. “Só uma pequena área entre Tubarão e São Tomé, que estamos esperando a chegada de equipamentos para padronizarmos”.


Sobre a comercialização em toda a orla, a titular da Semop pregou a condescendência. “Não vamos ganhar brigando ou impondo porque é isso é uma questão cultural. Essa orla só tem 10 dias de inaugurada. Não vou chegar com a lei da força policial. Mudaremos esse costume com conscientização e diálogo. Primeiro, conversaremos e depois entraremos com a fiscalização”, disse.


A secretária relatou que as orlas suburbanas serão contempladas com o Plano de Ação Integrada (PAI) para a organização da região. “Garanto, de coração, que a mesma atenção que estou dando à Barra darei às orlas do Subúrbio de Salvador”, finalizou.

Informações Bocão News